Priscilla McInnes Queiroz Campos

Brasil vira negócio das arábias para aéreas do Oriente Médio


James Hogan, presidente e CEO da Etihad, companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, e maior concorrente da Emirates, de Dubai, está no Brasil para fazer o pré-lançamento da companhia aérea, que começa a voar ao país em junho de 2013, com uma rota diária Abu Dhabi-São Paulo. O evento, que acontece hoje em São Paulo, é exclusivo para parceiros e futuros fornecedores da empresa, que vão conhecer os detalhes do negócio por aqui, revelou ao BRASIL ECONÔMICO Carlos Paiva, responsável pela implementação da empresa no país.
A Etihad é uma empresa jovem, foi criada em 2003 como braço de negócios aéreos da Mubadala, fundo de investimento de Abu-Dhabi, que adquiriu 5,6% do Grupo EBX, do empresário Eike Batista, por US$ 2 bilhões.
Paiva também atuou como representante das empresas Emirates e Qatar Airways, quando as empresas conseguiram autorização para voar ao Brasil, em 2005 e 2006, respectivamente. E segundo ele, as aéreas do Oriente Médio estão apenas começando a explorar o potencial de negócios do Brasil. “Na aviação há apenas dois mercados hoje que apresentam crescimento,China e América Latina, e o Brasil é mais da metade do potencial de negócios latinos-americanos”, explica Paiva.
Ele admite que há dez anos, o país era apenas usado como conexão para chegar ao mercado Argentino. Hoje, porém, em potencial de negócios o país é mais importante que o México para as aéreas. O plano da Etihad é utilizar o país também como hub para outros mercados no cone sul, assim como já faz sua concorrente Emirates, que lançou recentemente um voo diário Dubai-Rio de Janeiro, com extensão a Buenos Aires.
A redução de burocracia para entrada de novas empresas no país está ajudando. Paiva conta que a aprovação da Etihad no país foi um dos processos mais rápidos dos quais ele já participou. “A Etihad apresentou sua solicitação à Anac no dia 31 de maio e no dia 10 de julho já estava aprovado”.
Segundo ele, no momento difícil em que vive a aviação internacional, especialmente a americana e a europeia, sempre há quem pergunte se existe espaço para uma terceira empresa do Oriente Médio no Brasil. Pois ele é categórico. “As possibilidades de rotas são muito grandes. A próxima bola da vez será unir o país à Índia, que é um grande parceiro comercial do Brasil, assim como a vizinha China”, diz.
Concorrência
A demanda por passagens para o Oriente Médio levou a Emirates a registrar o maior crescimento entre as companhias aéreas internacionais no primeiro semestre deste ano. Segundo dados da Associação Brasileira das Agências de Viagens Corporativas (Abracorp), a aérea teve vendas de R$ 25,7 milhões no primeiro semestre, alta de 122% sobre o ano anterior. A companhia detém 3,6% de participação entre as vendas das agências associadas. A Qatar, por sua vez, registrou vendas de R$ 19,9 milhões no período, ficando com 1,27%. Outra empresa da Ásia menor, a Turkish Airlines, desde 2009 no país, vendeu R$ 12,2 milhões (0,78%).
As viagens aéreas internacionais no país ainda são dominadas por empresas americanas e europeias. A diferença, afirma Paiva, é que as companhias do Oriente Médio têm o país como destino para a diversificação de negócios.
No Brasil, a Etihad vai usar a aeronave A340-600, que conta com três classes de serviço, sendo 12 assentos na primeira classe, 32 na executiva e 248 na econômica. E seu foco é disputar o mercado premium de aviação.


As informações são"Regiane de Oliveira - Brasil Econômico".Sempre é citado o link de referência.

Priscilla McInnes Queiroz Campos

About Priscilla McInnes Queiroz Campos -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :
© Copyright 2017 12Aérea News. Designed by HTML5 | Distributed By . G12horas.Aerea.