Priscilla McInnes Queiroz Campos

Azul assume marca na fusão com Trip que deixa de existir

A holding Azul Trip S.A., criada a partir da fusão operacional entre a Azul Linhas Aéreas Brasileiras e da Trip Linhas Aéreas - as empresas ainda aguardam a definição do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), para unificar as operações - anunciou suas primeiras ações em São Paulo. Conforme o M&E antecipou, a Azul será a marca resultante da fusão. A decisão foi tomada a partir de uma pesquisa de mercado com foco na penetração e lembrança de marca em diversos aeroportos.

A companhia já apresenta uma estrutura robusta. No total são 840 voos, 115 aeronaves e nove mil colaboradores. Desde o dia 10 de setembro, 100 aeroportos nacionais já recebem os voos da "nova" Azul. "A companhia já nasce como a terceira maior força da aviação nacional", disse o COO da Azul, José Mario Caprioli.

Caprioli disse ainda que "todos os voos até aprovação do Cade - Conselho Administrativo de Defesa Econômica - serão operados por code share. A operação unificada encurtará distâncias e reduzirá o tempo de voo, possibilitando que mais pessoas utilizem o transporte aéreo”.

Na busca da melhoria dos serviços, a Azul anunciou que vai investir na ampliação dos serviços prestados aos passageiros. "Vamos priorizar o mercado nacional. O Brasil tem muito para crescer em malha doméstica e nós podemos ganhar com a ampliação dos nossos serviços", disse. Atualmente o foco da companhia é o atendimento doméstico.

Internacional - Caprioli afirmou que a companhia tem interesse no mercado internacional e não descarta o pedido de rotas junto à Anac nos próximos meses. "Temos interesses em voar para países próximos, que façam fronteira com o Brasil", disse. Segundo o executivo, a empresa aprecia países internacionais de 'tiro-curto'. "Pensamos em rotas para o Paraguai, Colômbia, Guianas, Uruguai e Buenos Aires. Esses são os tipos de voos que nos interessa", emendou.

Confira abaixo as declarações de Caprioli durante o lançamento da nova Marca Azul para o mercado de aviação nacional. 

MERCADO & EVENTOS - Como foi a escolha do nome Azul?
José Mario Caprioli -
 Estudamos o convívio das duas marcas, mas tecnicamente isso não faz sentido. Essa compreensão era fácil dentro da indústria, mas para o passageiro não faria sentido. As duas marcas têm a percepção de modernidade, novidade, mas pesquisas mostraram que a Azul tinha maior penetração, principalmente nos mercados mais caros do Brasil, como São Paulo.

M&E - Com o anúncio da nova marca, o que acontece com o nome Trip?
Caprioli -
 O nome Trip na comunicação visual aos passageiros e nas aeronaves será descontinuado, permanecendo apenas uma referência visual da companhia regional no novo logotipo. A nova identidade visual da empresa deverá ser vista apenas na folheteria e nos cartões de visita das companhias, enquanto as autorizações não saem.

M&E - Como fica a mudança com a nova marca, qual a representatividade?
Caprioli -
 O novo logotipo da Azul passará por modificações. A letra U, na palavra Azul, será grafada com um tom da cor azul contrastante das demais letras A, Z e L. O objetivo é remeter ao logotipo atual da Trip, que tem a letra I grafada em tonalidade diferente das demais letras da marca. Segundo executivos presentes no anúncio da nova marca, o objetivo de grafar a letra U com um tom diferente é também mostrar a união das duas empresas. Com relação aos uniformes, os atendentes de check in, por exemplo, adotarão o uniforme da Trip, já os funcionários de manutenção usarão os uniformes da Azul.

M&E - Como ficam os code shares a partir de agora?
Caprioli -
 Devemos iniciar o acordo de compartilhamento de voos entre 20 e 30 de outubro. Já temos a autorização para o code share da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) desde o dia 20 de agosto. Além disso, já existem 380 pedidos de alteração de horários de transporte que correspondem a toda a malha de voos da Azul e da Trip, combinada. Atualmente, juntas as companhias operam em torno de 800 voos diários. O code share entre as duas companhias funciona como uma espécie de preparação para a futura fusão operacional. Nosso desejo é fazer com que o passageiro perceba a integração total das duas companhias até o fim deste ano, mas tudo vai depender das aprovações da Anac e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

M&E - Com relação a Tam, como será a partir desta unificação?
Caprioli -
 O code share firmado entre a Tam e a Trip continua. Hoje não temos interesse em romper com o compartilhamento. A relação entre as duas companhias deve continuar ainda por um longo período. Todos os interesses das duas companhias, mesmo com o processo de fusão, não interferem na operação da Azul.

M&E - Como será a operação das duas companhias em relação à frota?
Caprioli -
 Azul e Trip permanecem operando de forma independente até a obtenção da autorização definitiva das autoridades. As duas companhias deverão encerrar o ano com 116 aviões, sendo que atualmente a frota combinada conta com 114 aeronaves. Até o fim do primeiro semestre de 2013, será efetivada a devolução dos aviões mais antigos das duas companhias. São nove modelos Embraer 175 e sete turboélices ATR 42-300. Os jatos Embraer 175 serão substituídos pelos modelos da família Embraer 190 e 195. Já os turboélices serão trocados por uma versão mais nova, o ATR 72-600.

M&E - Qual será o investimento para frota?
Caprioli - O investimento agora é da holding. Vamos investir US$ 342 milhões, o equivalente a R$ 684 milhões, para trazer 12 aeronaves de setembro deste ano até abril de 2013.

As informações são"Mercado & Eventos Por Luciano Palumbo".Sempre é citado o link de referência.

Priscilla McInnes Queiroz Campos

About Priscilla McInnes Queiroz Campos -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :
© Copyright 2017 12Aérea News. Designed by HTML5 | Distributed By . G12horas.Aerea.