Priscilla McInnes Queiroz Campos

Aviões históricos voltam a voar em Itanhaém, SP, após serem resgatados

Encantado com os aviões que via passando pelo céu quando era jovem, o aposentado italiano Pietro Loporchio decidiu sair da rotina empresarial que vivia na Itália para se aventurar como piloto no Brasil. Hoje, aos 74 anos, Loporchio se dedica a arte de reformar aviões raros e antigos, das décadas de 1930, 1940 e 1950. O objetivo do aposentado é montar um museu para contar a história da aviação no Brasil, mostrando para as novas gerações o encantamento que tem pelos 'objetos voadores'.

Pietro Loporchio e o avião PT19, de 1943 (Foto: Mariane Rossi/G1)


Pietro Loporchio veio a passeio para o Brasil. Ele voltou para a Itália, casou-se e retornou para as terras brasileiras. “Acho que não tem ninguém que não se apaixona por essa terra”, fala o italiano. Durante uma viagem a Peruíbe, no litoral de São Paulo, ele se encantou pela aviação brasileira, o que acabou o trazendo definitivamente para morar no país. “A vida lá era muito difícil, não tinha emprego. Em 1972, em um passeio pela cidade de Peruíbe, eu vi um avião voando. O avião era do extinto aeroclube de Praia Grande. Fui atrás do avião até o aeroporto. No mesmo dia, fiz uma inscrição e comecei a voar. De lá para cá eu não parei mais”, conta ele.
Loporchio fez os cursos de piloto privado, piloto comercial, piloto de planador, piloto agrícola, e piloto de garimpo. Ele também trabalhou como instrutor de avião, na formação de pilotos. Conheceu a cidade de Itanhaém, ainda na época de aluno, durante treinamentos de pousos. Pouco depois, decidiu morar definitivamente na cidade. “Eu me estabeleci aqui com o hangar em 1986. Depois construímos outro hangar. Há três anos, eu decidi ficar na cidade definitivamente”, lembra o italiano, que foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Aeronaves Antigas e Clássicas.

Loporchio decidiu parar com a atividade de instrutor de pilotos para se dedicar ao restauro de aviões antigos. Ele quer que as outras gerações conheçam a história da aviação. “Há 40 anos na aviação, 15 mil horas de voo, já voei em 95% dos aviões que existem no Brasil. Tenho uma biblioteca de manuais”, conta. Por isso, começou a comprar antigos aviões, motores, peças e a conhecer todos os tipos de livros sobre o assunto. Grande parte dos aviões que ele tem atualmente são da Força Aérea Brasileira. Esse material com um alto valor histórico, às vezes, é encontrado no lixo ou está abandonado. “Foram achados todos em ferros velhos, jogados em fazendas. Eu vou atrás de aviões. Os caras me dão. A despesa é só de transporte. Garimpo as peças, procuro, ligo para amigos. Fazemos tudo, o motor, a pintura. Mas não é uma firma, é restauro”, explica ele.
Em um hangar, ele montou sua ‘oficina’ e, em outro, passou a guardar as preciosidades. São aviões de vários tamanhos e cores. Alguns deles, usados durante a guerra, por volta de 1945. Outros, utilizados pelas forças armadas americanas e brasileiras, como o PT19 e o T-6, que formou o início dos cadetes da Força Área Brasileira, em Pirassununga, no interior de São Paulo. Há também o Piper J3, também de 1945, especial para fazer acrobacias no ar. O restaurador também tem aviões que são feitos e planejados por ele mesmo, amigos e sócios. É o caso do Cap Sol, um avião híbrido, uma mistura de vários aviões, e o Sky ballet, que é um projeto  'bem arrojado e louco', segundo Loporchio.
Avião Ryan, de 1938, uma das raridades do italiano (Foto: Mariane Rossi/G1)Avião Ryan, de 1938, uma das raridadesdo italiano(Foto: Mariane Rossi/G1)
Entre as raridades, estão o J-5, o único do Brasil, e o Taylor, que só existem cinco em todo o mundo. Ambos estão em fase de restauro. O xodó do italiano, porém, é o PT 19, de 1943. Nas cores azul, amarelo e vermelho, ele também foi usado pelas forças armadas americana e brasileira. Mas o Ryan, construído em 1938 é o especial, entre tantos dentro do hangar. “Esse avião foi três vezes campeão mundial de acrobacias. É um avião raríssimo. Existem poucos no mundo. Depois de muito trabalho nós conseguimos comprá-lo. Esse avião estava em um museu nos Estados Unidos e pertencia a um dentista. Depois de um ano de exaustiva conversa, o dentista resolveu vender. Reformamos ele inteiro. Demorou dois anos”, conta ele.

Aviões de alta tecnologia não interessam para Loporchio. A busca é sempre por antiguidades. “Se você traz um avião moderno eu não quero. Avião moderno não tem história”, afirma. O seu grande desejo é completar a primeira esquadrilha da Força Aérea Brasileira. Para isso, falta apenas uma unidade.

Após isso, o italiano quer realizar o sonho de deixar essas raridades para os olhares de novas gerações. Ele garante que todos os aviões que foram reformados voam aos finais de semana em Itanhaém, mas a ideia é criar um museu com essas peças e mostrar como elas podem funcionar normalmente, mesmo após muitos anos. “O nosso intuito é fomentar a aviação para essa juventude nova. Queremos fundar um museu para atrair as escolas para a visita, para mostrar o que é a aviação. Nossa história aeronáutica que não tem muita divulgação. Quero incentivar mais a molecada e difundir a história da aviação antiga. A aviação moderna todo mundo conhece pela internet”, finaliza o italiano.



As informações são"G1 by Mariane Rossi ".Sempre é citado o link de referência. O conteúdo é de Responsabilidade:

Priscilla McInnes Queiroz Campos

About Priscilla McInnes Queiroz Campos -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :
© Copyright 2017 12Aérea News. Designed by HTML5 | Distributed By . G12horas.Aerea.