Priscilla McInnes Queiroz Campos

Aeroportos médios ampliam sua participação no mercado brasileiro


A aviação brasileira caminha para uma maior regionalização. Nos últimos cinco anos, a participação de aeroportos que recebem menos de 10 milhões de passageiros anuais na movimentação total do país saiu de 56% para 62%.
Levantamento da Lunica Consultoria em Aviação mostra que os aeroportos médios, com 5 milhões a 10 milhões de passageiros/ano, foram os que mais cresceram: 21% ao ano, em média.
Já os quatro maiores aeroportos -- Congonhas, Guarulhos, Galeão e Brasília, que recebem mais de 10 milhões de passageiros/ano-- cresceram, em média, 9% ao ano desde 2008.
Os aeroportos menores (menos de 5 milhões de passageiros) cresceram 16%, em média. O levantamento considera apenas aeroportos da rede Infraero, que representa cerca de 95% do total.
Se, no passado, o crescimento da Gol e da TAM sobrecarregou os maiores aeroportos, hoje, com o avanço do grupo Azul Trip, o mesmo acontece nos aeroportos regionais.
São José dos Campos, por exemplo, que em 2008 chegou a ficar alguns meses sem voo regular, hoje recebe mais de dez voos de Azul Trip, com ligações diretas para Campinas, Belo Horizonte, Rio e Curitiba.
O aeroporto possui uma boa infraestrutura de pista, mas o terminal de passageiros está sobrecarregado. Criado para 90 mil passageiros ao ano, recebeu 212 mil em 2012.
"A Azul mostrou que existe demanda em aeroportos médios e cresceu com base nisso", diz Lucas Arruda, sócio-diretor da Lunica.
Outro estudo, da consultoria Bain&Co, mostra que o Brasil está se aproximando dos EUA em termos de participação da aviação regional em relação ao mercado doméstico. A participação da oferta de assentos em voos regionais no Brasil saltou de 4,58% (2008) para 6,1% (2011). Nos EUA, a aviação regional é 9,86% do mercado.
INFRAESTRUTURA
O crescimento da aviação regional no Brasil esbarra na fa lta de infraestrutura. Apesar do aumento dos voos para o interior, o número de destinos atendidos pela aviação comercial regular está em queda.
As companhias aéreas voaram para 132 cidades em 2012, dez a menos do que em 2011. Em 2008, eram 157.
A redução do número de cidades é reflexo direto do fechamento de aeroportos --por falta de infraestrutura adequada e também pela falência de companhias regionais. Desde 2009, oito empresas ficaram no chão.
O diretor de relações institucionais da Azul Trip, Victor Celestino, diz que todos os cem aeroportos em que a empresa pousa atualmente carecem de infraestrutura.
A empresa diz ter identificado mais 75 destinos com potencial para receber voos. Porém, "em 90% dos casos há problemas de restrição de infraestrutura". Como exemplo, ele cita Mossoró (RN) e Guarujá (SP).
A empresa diz aguardar a definição do Plano de Aviação Regional do Governo Federal, que prevê investimentos de R$ 7,3 bilhões em 270 aeroporto s regionais, para definir a expansão futura da sua malha.




As informações são"Folha de S Paulo".Sempre é citado o link de referência.

Priscilla McInnes Queiroz Campos

About Priscilla McInnes Queiroz Campos -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :
© Copyright 2017 12Aérea News. Designed by HTML5 | Distributed By . G12horas.Aerea.